A Academia

Sem Título Filiada na Federação Portuguesa Lohan Tao (F.L.T) através do departamento HEMA   (Historical European Martial Arts Portugal) e creditada pelo IPDJ (Instituto Português Da  Juventude), a Academia de Esgrima Histórica (AEH) é uma associação sem fins    lucrativos, dedicada à investigação, interpretação e divulgação das artes marciais históricas  europeias, com especial incidência nas Artes Marciais Históricas Portuguesas, é constituída por  clubes desportivos e salas de armas independentes com interesses e objectivos comuns.

As Artes Marciais Históricas Europeias são as técnicas de combate, com ou sem armas, utilizadas ao longo da História da Europa. O revivalismo da esgrima histórica está assente em textos historicamente comprovados, investigação arqueológica e pesquisa oral das tradições marciais, nomeadamente em Portugal.

É objectivo da Academia de Esgrima Histórica levar estas pesquisas e tradições à prática procurando a forma mais moderna e segura de as executar, quer nas Salas de Armas, quer nas competições desportivas.

Não somos um grupo de Recriação Histórica, não nos vestimos nem pretendemos falar de uma forma historicamente correcta.

Fazemos esgrima nica, porque tal nos garante a forma de expressarmos os conceitos da esgrima e interagir com as populações.

Fazemos esgrima ensaiada e combinada porque pretendemos que compreendam a complexidade do movimento e a beleza da esgrima na sua totalidade, respeitando sempre as condicionantes dos textos históricos e procurando apresentar a verdade através da História.

Somos uma Academia de Esgrima Desportiva, disputamos campeonatos destinados à Esgrima Histórica, participamos em eventos com os nossos irmãos da esgrima olímpica porque a nossa referência é a espada seja de que modo for empregue, desde que esteja salvaguardado a integridade física dos participantes através de sistemas de protecção pessoal e regulamentos adequados à prática desportiva.

A AEH está sob a responsabilidade técnica do Mestre de Armas Fernando Brecha com o título de treinador do Grau II, apoiado por um grupo de instrutores devidamente certificados e credenciados.

Textos e Tratados

Como não se pode compreender a História sem a estudar, na AEH abordamos, estudamos e interpretamos vários documentos que nos permitem entender a esgrima, tais como:

Fiore dei Liberi

Flos Duellatorum /1410

Domingo Luis Godinho

A Arte da esgrima/1599

Diogo Gomes de Figueiredo

Memorial Da Prattica do Montante/1651

Thomaz Luiz

Tratado das liçõens da espada preta e destreza, que hão de usar os jogadores dela/ 1684.

Ridolfo Capoferro, Gran Simulacro dell’Arte e dell’Uso della Scherma – 1610

Outros textos e outras formas de encarar a Esgrima vão sendo estudados e introduzidos de acordo com a preferência dos instrutores, que irão alargando os conhecimentos dentro das artes marciais históricas ocidentais. Entre os textos e autores em estudo estão:

D. Duarte I de Portugal

Livro da Ensinança de Bem Cavalgar Toda a sela (1438)

Camillo Agrippa

Trattato di Scientia d’Arme con un Dialogo di Filosofia (1553)

Jerónimo Sánchez de Carranza

De la Philosofia de las Armas (1569).

Joachim Meyer

Free Knightly and Noble

Art of Fencing (1570)

Luis Pacheco de Narez

Libro de las Grandezas de la Espada (1599)

Salvator Fabris

Lo Schermo, overo Scienza d’Arme (1606)

François Dancie

L’Espée de Combat ou l’usage de la tire des armes (1623)

O trabalho da AEH não acaba na pesquisa, é necessário transpor para a sala de armas o movimento, é aqui que reside a grande aposta da A.E.H.

É necessário mecanizar, testar, treinar e chegar à conclusão de que uma simples alteração de um movimento faz toda a diferença entre a eficiência e a interpretação, e que quem escreveu estes textos estava preocupado com a eficiência por razões de que quem não fosse eficiente

Aqui jaz fulanohomem honrado, que trazendo espada na cinta nunca puxou por ela para ferirsenão para matar

Academia de Esgrima Histórica

esgrima@academiaeh.ptwww.academiaeh.pt

Share Button
Copyright © 2017